Libertando das profundezas…

Sendo engenheiro de minas, graduado em 1970, descobri, através de uma dedicatória de
minha mãe feita em um exemplar da revista Planeta N o 33, de junho de 1975, na qual foi
publicada uma matéria intitulada “Astrologia: uma teoria revolucionária”, de sua autoria, que eu descendia de uma geração de mineiros de carvão, profissão que exercia na época.
Ela me dedicou as seguintes palavras: “Altair! És tataraneto de uma geração de mineiros de carvão que trazem as riquezas ocultas da Terra para criar Energia, Luz e Calor. Tua mãe procurou fazer o mesmo: libertar o que está oculto, pesado, negro na vida para transformar em Amor, Alegria e Consciência, ensinando a Harmonia e Beleza que está em todos os aspectos da vida, mesmo quando parecem ser duros e difíceis. Que tu saibas chegar a isto, tanto no trabalho no plano material como espiritual, são meus votos para ti para que possas alegrar os que trabalham contigo e os que tu amas. São os meus votos de mãe.”
Palavras sábias e profundas! Coincidentemente, lembro, ainda, que a data de 10 de julho é
uma data especial para ela (explicada a razão em outro tópico neste site) e é, também, o Dia do Engenheiro de Minas. Será mesmo coincidência?

Altair Klippel

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito + treze =