Maria Inez de Bulhões Pedreira Arieira

Conheci a Dona Emy em 1974 através de seu discípulo, colaborador e admirador , Bola, Antonio Carlos Harres. Nesse ano, a Dona Emy deu um curso no Rio, que não pude fazer, mas pude ir, no último dia, na palestras: “A Era de Aquário”, que ela pediu que o Antonio Carlos desse. Aquele conhecimento, transmitido naquela palestra, fez todo sentido para mim!

Em 1976, Antônio Carlos volta ao Rio e nos casamos no ano seguinte. A admiração pela Dona Emy, pela sua maneira aquariana de ser, pela sua força e dedicação, por sua história de vida única, se deu não somente pelo convívio que tive com ela em algumas ocasiões, em Porto Alegre, em São Paulo ou no Rio de Janeiro, mas por ouvir os relatos da convivência do Antonio com ela, com quem ela compartilhou sua experiência e conhecimento.

Para mim, a Dona Emy tirou a astrologia da era medieval, de uma linguagem caracterizada por conceitos como: inflluências maléficas e benéficas, aspectos bons e maus, e percorreu the road less traveled, da abertura para o novo, da intuição, da dedicação, da pesquisa e observações, e levou a astrologia para a Era de Aquário, introduzindo e possibilitando uma poderosa ferramenta de autoconhecimento para a humanidade.

 

Maria Inez de Bulhões Pedreira Arieira

Rio de Janeiro, 05 de outubro de 2020

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito − dois =