Despertado, Inquieto, Inconsciente

O DESPERTADO

Tenho feito milhares de estudos e hoje vejo os horóscopos dos bisnetos das bisavós que estudei no passado. O que mais me entusiasma e me comove lé este maravilhoso relógio universal que os faz compreender as leis da hereditariedade. Hoje posso afirmar algo que caberá a vocês confirmar e levar mais adiante: se hoje a Lua está num signo, os gens que correspondem a este biotipo são os mais fortes, fecundando as famílias onde existem esses gens. Se há concepção, desenvolve-se no corpo materno o corpo físico da criança com os caracteres hereditários daquele biotipo fecundado pela Lua. Nove meses depois ela nasce, na hora em que o signo correspondente a esta herança genética se levanta no horizonte.

Ao nascer, essa forma física penetra no visível terrestre e na consciência humana. À medida que a criança desenvolve o uso dos cinco sentidos, sobem as suas qualidades ao consciente (ascendente, ativo_ e se recolhemos sentidos que captam o invisível ao subconsciente (descendente, passivo).

No princípio da vida estes ainda estão equilibrados (ver acima). Dessa forma o eixo fundamental se transformará em dois raios, ativos e passvos; e desta divisão se desenvolve o estado inquieto.

O INQUIETO

Este estado nasce dos repetidos choques entre as duas energias, e às vezes notam-se na criança mais as energias do signo oposto o ao seu Ascendente, porque ela luta para não perder o equilíbrio.

Mas a lei da vid=da é esta: a criança nascida com Áries no Ascendente nunca chegará a ser um líder capaz de impor a sua personalidade, sua independência e suas energias criadoras, se sempre tiver de perguntar o que querem os outros ou como deve agir. Sua energia de Áries se manifesta então em um comportamento impaciente, voluntarioso ou egoísta.

Os defeitos, ou o que chamamos erros, não são originados pelos signos, mas unicamente pelo crescer da vida e pelo desligamento aparente dos signos opostos. Quando os dois opostos se desligarem completamente, passaremos, do estado inquieto ao estado inconsciente.

 

O INCOSCIENTE

Todos nós passamos por este estado das trevas. Então não sabemos de todas as energias cósmicas que estão em nós, e assim surgem as lutas, os sofrimentos e os erros.

Mas não há erro, pecado ou desgraça. Há somente as aulas da vida que nos despertam para a busca da luz, que é o estado inquieto da vida, para chegarmos ao amadurecimento e ao despertar das energias latentes, alcançando a auto realização e a consciência de nós mesmos.

Com cada curto-circuito temos um relâmpago, um vislumbre dessa luz, e aos poucos chegamos a compreender este mecanismo das energias ocultas em nós. Posso aprender a me servir de uma instalação elétrica através das lições dadas pelos choques, e chegar a consertar meu ferro elétrico sem precisar do eletricista. Mas pelo conhecimento da eletricidade poderei instalar a luz muito mais rápido e sem tanta dor.

Este é o valor da Astrologia:

  • Ensinar-nos a saber fazer uso das energias cósmicas bipolares em nós e em todo o universo.
  • Não adianta previsão, nem aviso, nem profecia, se cada ser não se conscientizar de si mesmo.
  • O homem em busca do espaço externo precisa em primeiro lugar conhecer o espaço interno.

Tomem o exemplo da planta: o ser humano é uma semente cósmica sua primeira respiração é a sua semeadura. Esta semente tem de dar um fruto, mas o erro é querer saber do fruto antes de saber que espécie de semente ela  é. Para dar este fruto, a semente tem de ser lançada à terra fria; tem de bipartir-se para poder libertar a energia e a força nela existente. Depois germina e aparentemente apodrece para assimilar, e depois crescer, florescer, amadurecer, e enfim dar o fruto.

Mas sem passar pelo estado nº 1, aparentemente apodrecendo e estragando, sem passar pelo estado nº 3, com toda a sua amargura e acidez, nunca chegará à doçura do nº 4.

Há então dois estudos a fazer:

1 – A vida no homem.

2 – O homem na vida.

Na Psicologia, começamos geralmente plelo nº 2, pela observação do homem na vida, segundo a sua manifestação e assimilação. Na Astrologia começamos o estudo pelo nº 1 : a vida no homem, a semente da energia cósmica nele e o fruto que poderá dar.

Compreendemos então que todos os eventos bipartidos, azedos e amargos, são os fatos desse crescimento, e que pelo conhecimento podemos eliminar e amenizar a dor do crescer.

O homem é o mecanismo que faz um instante cósmico não se desvanecer, eternizando-se, girando, irradiando nova luz.

E então compreendemos plenamente o Apóstolo Paulo, quando afirma na Carta aos Colossenses (Cap.1, ver.16):

“Tudo foi criado por Ele, para Ele.”

Emma de Mascheville